quinta-feira, 31 de julho de 2008

Máscaras e perfis


Bom dia,

Resolvi te escrever, acredito que virou uma necessidade comentar o que sinto.

Ontem eu estava muito triste, acredito que seja por motivos de muitas atitudes que te contarei hoje.

Quero que saiba que eu não sou fútil, nem falsa, mas é da minha personalidade inventar máscaras e perfis para ser uma pessoa que eu na verdade sou, mas não quero que ninguém saiba que sou eu.

Devo ter dito a você ontem que eu tenho humor variado, ora triste, ora alegre.

Quando estou triste eu escrevo muito, escrevo poemas, porque não sou de chorar, acho que nem lágrimas eu tenho, se perderam nas muitas tristezas da alma que já passei. Claro que ainda não tive nenhuma tristeza muito forte de perda por falecimento de um ente querido, nem de doença, mas já perdi amigos, por motivos tolos que estou a te contar agora.

Talvez seja o motivo desta tristeza que ontem eu estava.

Um dia misturei amigos reais com virtuais e deu uma droga mais forte que explosão da terceira guerra mundial.

Eu já tinha tido experiências antes com amigos, mas como posso explicar a você a perda de algo que nunca se teve? Um dia um amigo do sul virtual também me disse assim: Não se perde o que não se tem. Hoje eu vejo que a amiga que eu perdi, eu nunca a tive, mas então porque eu sofro tanto esta perda?

Talvez não seja a perda dela que eu sinto falta, mas da situação criada por ela. Como eu disse aí em cima quando eu estou triste eu escrevo, mas quando estou alegre eu gosto de fazer amigos virtuais. Sabe houve uma época que conheci muitas pessoas e fiz muitos amigos, você foi um deles, jamais pensei em mostrar uma das minhas personalidades ou mascara para vc, sempre mostrei a pessoa real interior que eu era embora eu mostrasse uma pessoa virtual exterior a você. Vemos o que queremos ver em alguém, então não creio que eu menti pra ninguém, talvez eu tenha apenas alimentado a sua ilusão de me ver como você queria que eu fosse.

Com o passar do tempo essa “brincadeira” virtual foi passando e eu fui abandonando o hábito de mostrar minhas máscaras. Salvo quando eu percebia o perigo do abandono então vestia uma nova roupa e começava de novo apenas com pessoas que me era muito importante.

Numa dessas escapadas, deslizadas, eu introduzi pessoas que não mereciam conhecer outras pessoas.

Porque nesse mundo enxergamos apenas o que queremos enxergar, podemos até nos apaixonar. Eu tinha amigas que eu fazia confidencia contava tudo e foi num desses segredos que foi mostrado que eu usava máscara. Eu sempre soube que você também tinha as suas, mas sempre respeitei, porque aqui é um jogo, estamos há tanto tempo neste mundo virtual que sabemos que os jogos virtuais apenas se transformam em pecado quando alguém nos mostra os nossos erros.

Sei que a pessoa que lhe abriu os olhos está sempre do seu lado, e sei também que ela o fez não porque me odeia, mas porque teve medo que você gostasse mais de mim, o que ela nunca soube é que nunca tivemos e nunca teremos nada, porque somos feito da mesma massa virtual, da mesma massa que fazem as máscaras.

Mas tenho certeza que você não comenta pra ela isso, porque é mais fácil alimentar o ódio dela em relação a mim, pelo ódio que você está sentindo por ela ter mostrado quem eu sou.

É como a amiga que mostra pra outra que o marido a trai, no final os dois fazem as pazes e ela que dedurou fica mal.

Não sei se vai ler essa carta.

Agora vou terminando e não desejo nem felicidades nem infelicidades para você, muito menos para quem de alguma forma mostrou a você quem eu era. Aos pouco tudo isso vai se tornando algo indiferente, é certo que eu às vezes sinto saudades, quando leio seus emails e seus poemas, mas estou jogando fora tudo o que não mais me pertence.

Um dia tudo isso será passado.


Sua amiga virtual
Myrian Benatti

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Estrada Paralela


Quem eu pensei que você fosse...

Um dia, eu fui em busca de um caminho. Sou andarilho que caminha numa estrada diferente, uma estrada que busca encontrar um sentido para o conhecimento da alma, mas estava eu toda perdida, não sabia exatamente aonde ir e quem buscar.

Encontrei você todo perdido. Hoje eu me pergunto, será que você estava mesmo perdido?

Será que na minha inocência eu não o julguei apressadamente e me aproveitei da situação porque era o melhor pra mim?

Mas lá estava você, e lá estava eu, ambos perdidos de buscas que fazíamos ambos buscando nada, tentando preencher lacunas com nada.

Mesmo não buscando nada nos encontramos e nos preenchemos momentaneamente de tudo, de música e poesia, de palavras e sensualidade, de pecado e orgia, de amizade e solidão.

Tem uma frase de Vinícius que diz assim: Que não seja imortal posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure.

Foi breve e fugaz.

Durou exatamente a chama da procura, diria que algumas brasas ainda queimaram ao longo dos séculos, mas com pouca intensidade, o necessário pra iluminar os passos do andarilho.

Será que você aproveitou das chamas da paixão?

Será que você conseguiu encontrar o caminho que procurava?

Será que você aprendeu algo nesta caminhada?

Eu posso dizer hoje que você não tem culpa se pegamos caminhos diferentes. Ao longo da vida caminhamos por estradas paralelas, quando nos encontrávamos em algum cruzamento fazíamos moradas, tentávamos caminhar junto, mas logo cada um seguia seu caminho, o passado não caminha com o presente, nem o presente com o futuro, cada um tem o seu tempo.

Hoje por algum motivo estamos novamente em caminhos paralelos, cada um seguindo caminhos contrários onde mesmo com um trevo jamais voltaremos a nos encontrar.

Jamais?

Só o tempo dará essa resposta...



Myrian Benatti

Bem vindo!!!

Seja sempre bem vindo
Quando ler meus textos ou dos meus amigos, comente.Suas palavras sempre serão bem vindas.Se não souber o que falar deixe um abraço, mas não faça comentários maldosos, estes vc guarde.Entre e fique a vontade, vc faz parte da família, dos amigos

Alma Encantada

Alma Encantada
sempre sorrindo!!!
Loading...

Marcadores

Quem sou eu

Minha foto
Sou poesia,sou procura, sou ilusão.

quem sou eu...

Desde mocinha eu escrevia poesias, cada vez que eu terminava uma paixão, eu fazia um poema, cada tristeza, alegria,cada olhar maroto.Acho que porisso me tornei uma poetiza, pq sempre estive apaixonada.As lágrimas que eu derramava se transformavam em sementes, em letras, em textos, em poemas.Ainda hoje faço isso, qdo estou triste com alguém eu escrevo uma poesia, cada poesia minha tem uma história.É como a semente que transformou em árvore.(MyrianBenatti)